22 de setembro de 2009

SINGULARES E PLURAIS

Nesta madrugada meu amado,
Atarei meu coração ao teu,
Guerreiros derrotaremos às sombras que palidamente invadiram nossos sonhos,
Com plácida e falsa modéstias cobrindo-nos de espinhos estrelares,
Fizeram desaparecer as palavras como os mágicos fazem aparecer moedas atrás das orelhas,
E assim provocaram a irá dos relâmpagos e trovões,
Despertaram as forças espaciais,
Trazendo a chuva em enxurradas folhas secas arrastadas pela fúria inquieta dos ventos,
E a lama cinza que desce das colinas como quem esculpe o tempo em tempos de lavas,
Vem meu amado, quem ousará interpõe-se sobre a ira dos desejos milenares que brotam de nós singulares e plurais,
Pega a chave da porta abre e entra...
As sombra já partiram,
Olha os horizontes as colinas curvando-se diante de nós,
Neste instante somos os senhores do universo que cultivamos em nós...


Céu
22/09/2009

6 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Céu disse...

Martin...

Obrigada querido por palavras tão delicadas e gentis, deixo-te meu abraço e meu o carinho.

Céu

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Céu disse...

Querido Martim...
Nada supera no mundo a longevidade do amor puro e sereno, quiserá ser apenas isso a vida, como uma nota musical, como os sons que vem da natureza como o acorde perfeito, o mais bonito que só quem ama percebe e escuta...na inperfeição encontamos a nossa verdade pra chegamos perto da perfeita criação do homem e do deus que nos habita...beijo carinhoso
Céu

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.