20 de abril de 2010

Sorrias meu amor se um dia o sol não despertar e nua, sozinha e no escuro e eu perca-me de ti, sei que saberás encontrar-me pois sabes que todos os caminhos que levam-me a ti...
 

O amor e o desejo são as asas do espírito é nele que encontramos a força do amor, e dele que tiramos coragem pra resistir ao medo, ao frio, a solidão triste fome da alma e ate a distancia, não diga nunca meu amor eterno, meu pássaro flutuante que a ti nunca darei a minha alma, talvez ate estivesses certo, a alma é minha, mas como posso dar-te minha alma se ela já te pertence com todas as cores, de todas as formas, em todos os caminhos, comandas os meus pensamentos meu Ícaro, e o piedoso o sol que não de derreteu-te as asas, és o meu caminho, a linha dos meus pensamentos, estou em braços humanos, em berço esplêndido adormeço impávida coberta pelo teu amor, onde adormeces meu espírito inquieto e reacendes as minhas esperanças, onde encontro forças para governar a nave da minha existência, sinto-me farda a passos largos e dentro desde teu interior nada ou pouco falta-me nestas estradas e pela vida afora, és meu farol, meu guia, meus amanhecer minhas manhas em tácitas auroras, refugio-me em teus braços, quando o medo bate a porta abro-a e sei que estarei segura, não és só o meu amor, és minha alma, és o meu eu invisível, és a revolução e quietude que aclama meu espírito ardendo em febre, contigo sei que sempre estarei completa, és o viés que veio na hora certa cicatrizando minha a alma mortal, indócil, fazendo-me caminhar em plumas, seguindo as nuvens, ah! Que seria de mim se não tivesse o encanto do encantado amor nestas horas incertas, já não procuro juízos nem juiz, fujo as regras do meu próprio gostar, prescreve-me como uma receita azul, que só tu poderás usar, quero o desvelo deste querer tão impune e verdadeiro, quero a ti dizer no mais profundo das raízes onde finquei meus pés, e um dia disse-te: quero-te, amo-te espero-te.
 
Aqui estou, pronta e certa que o meu gostar é superior as guerras, as lavas, as sombras, maior que o sol, e abriga-se pertinho de DEUS onde segura tua mão e diz, sou tua, leva-me, quando voltares estarei pronta, aqui onde um dia jurei estar.

Quebrei todas as regras, orgulhos, e mergulhei dentro de desde teu amor meu amor tão grande, tão puro, tão forte, capaz de resgatar-me das sombras e escuridões e guia-me aos sons de violinos, abraça-me forte e digas, que o fim do começo esta próximo, para que esta lágrima que insiste em cair devagar fique guardada como um caminho... sei que saberás encontrá-la.

Céu
21/04/2010


2 comentários:

Céu disse...

Sei que saberás o que falo, mas é este o caminho, tenho que reaprendê-los, encontrá-lo, desencontrá-lo não só uma mil vezes pra poder deixá-lo sem asas, e poder encarar minha própria escuridão, sei que sabes que aqui nada trata-se de declarações, mas de encontros, buscas, caminhos... por isso fica aqui, abrace-me forte e se demore...
Com muito amor, em todas estas minhas estradas, em qq caminho, em qq céu, sei que nele voaras... E eu sempre a ti sorrirei... mesmo que não seja dia de sorrir!
Acredite ainda não será desta vez que perderei 21 gramas...
Amo-te e não saberia mesurar este amor, pois esta além dos limites do infinito...

Céu

£µ(g)ä® disse...
Este comentário foi removido pelo autor.